instrumenta

artigos

Visão Sistêmica - Encadeamento de atitude

O entendimento da visão sistêmica deve nos levar ao perfeito entendimento de um processo em que todas as ocorrências em nossa vida se dão através de um encadeamento de atitudes. Como assim??? Somos responsáveis pelo nosso futuro; nosso comportamento deverá resultar nos frutos colhidos à medida que o tempo vai passando.

Nessa linha de raciocínio, seremos mais críticos com a nossa conduta no dia-a-dia e, menos irresponsáveis em ver no outro a razão para o nosso insucesso. Como discutido no início desse tópico, temos que reforçar o pensamento de que as nossas ações e pensamentos nos propiciarão os resultados que virão. Chega de olhar para o gerente ou supervisor como uma pessoa que limita sua função; não que isso não possa ocorrer, pelo contrário, há pessoas que pela falta de inteligência emocional para o trabalho, tendem a dificultar as atividades de outros companheiros. Mas, o que quero deixar claro é que este mesmo profissional que vê no outro (supervisor) um fator limitante, deveria verificar de forma apurada e ética, como melhorar esse relacionamento e continuar a trilhar o caminho da evolução. O que poderia, por exemplo, melhorar a percepção que o coordenador tem de você para que suas idéias fossem respeitadas e entendidas como positivas para o bem comum e não somente para os interesses individuais de um ou outro? Ficar esperando pela iluminação completa da mente dos nossos “superiores” talvez seja muito pouco perto da nossa capacidade de contribuir para o processo de evolução da organização.

Baseado nestes comentários, fica claro que a conhecida conduta de fazer o que se pede, ou o “básico”, é muito pouco para quem reivindica respeito e melhores condições de trabalho. Não há evolução sem o planejamento e o desenvolvimento de ações diferentes ou inovadoras. Uma coisa é clara: “As mesmas ações geram os mesmos resultados”. Ficamos vivendo em um mar de reclamações sobre falta de valorização permanente por parte da direção da empresa, também sobre a manutenção de normas pouco eficientes, mas, por outro lado, não contribuímos com uma mudança de postura que nos leve a uma condição de respeito na qual seríamos mais ouvidos e, em conseqüência, podendo contribuir muito mais.

Para encerrar o texto, a mensagem que gostaria que ficasse gravada na mente do leitor é: “Somos os únicos responsáveis pelos resultados que temos”. Façamos, portanto, uma reflexão sobre nossas condutas (pessoais e profissionais) do cotidiano.


Bom trabalho
Marcelo Jabur

 

contato@instrumenta.com.br

marcelo@marcelojabur.com.br